Olho gordo

Contra a inveja que vem de fora existe oração, amuleto, patuá. Mas o que pode nos defender da inveja que surge em nós? Não há quem desconheça esse sentimento rastejante de desprezo pelas conquistas do outro, de intolerância aos atributos alheios, de mágoa por quem recebeu mais atenção, mais beleza, mais oportunidades. O invejoso é alguém que acredita que a vida lhe negou algo. Quanto mais frágil, mais ameaçado e, por isso, mais agressivo e vingativo.

Continuar lendo

Costura

Aos 15 anos, eu achava que o amor era seda finíssima, que cobria a visão dos amantes com um tom rosado. Aos 20, imaginei que era cetim. Brilhante, ruidoso e escorregadio. Cama para a perdição dos sentidos. Aos 25, me abriu a temporada da primavera. O amor virou pano de chita. Flores e fecundação. Reprodução colorida.

Continuar lendo

Pertencer

A falta de uma conversa com o vizinho. A saudade de um pé de goiaba no quintal de casa. São as ausências que doem até hoje nas vítimas da tragédia de Mariana. Mais de dois anos depois do rompimento da barragem, um terço dos moradores de Bento Rodrigues sofre de depressão. Consequência dos laços que se desfizeram, explicou o professor de psiquiatria da UFMG, Frederico Garcia, um dos responsáveis pela pesquisa sobre a saúde mental dos atingidos.

Continuar lendo

Luta de um só

O amor sempre pega o ego de surpresa, mesmo quando o ego jura ter planejado a ocasião. O amor veste plumas e tachas. O ego prefere algodão cru. O amor se esparrama nas almofadas. O ego limpa os desatinos. O amor esverdeia as plantas. O ego poda os excessos.

Continuar lendo

Variância

A filha menor, saindo do banho: - Mãe, por que a gente está usando só desse sabonete verde? Explico que ganhei uma caixa deles de presente. - É de alecrim. Você não gosta? - Gosto. Mas, quando a gente usa sempre o mesmo, se acostuma e não sente mais o cheiro. Prefiro variância.

Continuar lendo

Gaiolas

A imagem era um contraste. Na entrada de galpões imensos de siderurgia, onde funcionavam fornos a mais de mil graus de temperatura, ficavam as pequenas gaiolas com um canarinho dentro. Os bichinhos foram parar no ambiente industrial para garantir a segurança. Em caso de vazamento de gases perigosos, eles, como são mais frágeis que os humanos, eram rapidamente intoxicados e seu canto interrompido servia de alarme para os operários.

Continuar lendo
Fechar Menu
WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com