Tato

Ponha a mão com cuidado, como quem tira um gato da almofada sem despertá-lo do sono. Ponha a mão com maestria, como quem faz ponto de crochê sem interromper a conversa. Ponha a mão com confiança, como quem encontra no escuro a chave dentro da bolsa. Ponha a mão sem pressa, como o artista que espera secar uma cor da aquarela antes da pincelada de outro tom.

Comentários desativados em Tato

Puerpério

Minha amiga querida, Eu me lembro. São mesmo dias dramáticos. A gente transborda. Se esvai em sangue, os peitos vazam e os olhos deixam escapar toda a vulnerabilidade do mundo. Que loucura ter nas mãos poucos quilos de gente e nos ombros a vida de outro ser humano. Nenhum livro ou conselho é capaz de nos preparar para a contradição de nos sentirmos, ao mesmo tempo, tão poderosas e tão imensamente expostas.

Comentários desativados em Puerpério

Passarinha

O Baobá era a árvore mais robusta da floresta. A Passarinha era o bicho mais lépido. Quando ela ia longe, procurava por ele acima das outras copas e podia encontrar o caminho de volta. Trazia de outros cantos um ar de aventura, que o Baobá inspirava satisfeito. Gostavam daquela troca, mas a natureza dela era o movimento e a dele, a estabilidade. Era natural que se desentendessem.

Comentários desativados em Passarinha

Escravidão

Tantos afazeres por fazer. Pouca escolha, muitas obrigações. Bom seria andar de bicicleta todo fim de semana, mas os pneus murcham até que eu encontre oportunidade. Os livros ficam na cabeceira, fechados por vários dias. E reunir a família toda para um programa é quase um acontecimento. Penso que todo apressado foi também apreçado. Recebeu um preço e entregou seu tempo.

Comentários desativados em Escravidão

Natal

O Natal vem chegando e que alegria me dá! Não porque eu tenha sido criada nesse espírito. Pelo contrário. A vida dos meus pais era dura e eles eram pragmáticos. Não nos ensinaram a acreditar em Papai Noel, não frequentavam nenhuma religião e não havia qualquer celebração tradicional na nossa família. Mas eu, imaginativa, fui capturada pelas imagens dos cartões de Natal que chegavam pelos correios. Juntava, encantada, as figuras com aplicações em dourado e, lá pelos 7 anos, decidi montar eu mesma a árvore de Natal

Comentários desativados em Natal

Demolição

Até ontem estava bem lá em frente. A casa antiga, em vermelho desbotado, com uma eterna placa de vende-se. Mas, ao abrir o portão nessa manhã, havia uma claridade atravessando a rua. Um lote aberto por onde se via até o quarteirão acima do meu. A demolição foi feita em um único dia. Parei na calçada diante da novidade. Um senhor idoso de chapéu se aproximou, sem pressa e sem surpresa, e me disse: - A gente hoje não pode se basear no que viu ontem.

Comentários desativados em Demolição

Fim por enquanto

Sem mais por hoje

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com