Ano Novo

Procurei durante dias uma metáfora para desejar a você confiança no recomeço. Algo que te fizesse pensar no ano que chega como uma porta aberta para a novidade e o crescimento. Não estava fácil encontrar uma imagem que fosse honesta com as perspectivas que nos afligem. Mas a encontrei no meu pé. Mais especificamente, mordendo meu chinelo. Então, desejo que você enxergue 2019 como eu enxergo nossa cachorra Amora.

Continuar lendo

Tratamento

Faz uns 20 anos. Era domingo. Eu, repórter de plantão. Havia um engarrafamento gigante numa rodovia e nossa equipe foi até lá, imaginando que encontraria um acidente. Mas, a fila de carros ia em direção a um sítio. O motivo do congestionamento era a presença do médium João de Abadiânia fazendo atendimentos gratuitos no local. Ao constatar a presença da câmera, ele pediu que pacientes fossem levados à varanda da casa, que usou como um palco.

Continuar lendo

Festas

Nesta época do ano, em algumas casas, prepara-se encontros que são promessa de desconforto. Ceias em que serão servidas alfinetadas e copos cheios de ressentimento. Voltar à família de origem pode nos fazer voltar a conflitos antigos e, então, como crianças inconformadas, apresentamos as cobranças embaladas para presente: Por que você não me ama como eu preciso? Não me defende como eu espero? Não me enxerga como eu sou?

Continuar lendo

Adolescentes

- Laranja, mãe?!!! Quem compra um boné laranja?!!! Minha filha não disfarçou que considerou minha escolha de terrível mau gosto. E, para ter certeza de que ela está deixando a adolescência e já pode suportar o famigerado, nas férias, eu enviei várias fotos pra ela com a legenda: “Estrelando: o meu boné”. Um dia, uma colega minha do flamenco chegou para a aula chorando, porque a filha perguntou se ela ia sair de casa com aquela "saia ridícula".

Continuar lendo

Par

Moinhos de vento me atraem. É natural que me sentisse seduzida também pelo cavaleiro de espada em punho. Eu acredito em Deus. Como duvidaria de um anjinho que atira flechas? Sempre gostei de uma bela história. Claro que me entregaria ao romance. Mas, o amor romântico não é uma fantasia inofensiva. Acreditar que alguém possui a chave das minhas emoções, me afasta de procurar pelos meus segredos.

Continuar lendo

Zen

Pareceu que aquela era a primeira vez que se sentava em semanas. Claro que se sentava para comer, para trabalhar, mas não para nada. Inspirou fundo e encheu o peito até estalar os ossos das costas. Tentou soltar o ar com a mesma vontade, porém, tinha muito mais experiência em puxar as coisas para si do que em deixá-las ir. Fechou os olhos. Escutou um carro que parava na rua. Alguém pediu informação e alguém respondeu uma rota mal traçada. Corrigiu o caminho do outro mentalmente, depois tentou se corrigir.

Continuar lendo

Tato

Ponha a mão com cuidado, como quem tira um gato da almofada sem despertá-lo do sono. Ponha a mão com maestria, como quem faz ponto de crochê sem interromper a conversa. Ponha a mão com confiança, como quem encontra no escuro a chave dentro da bolsa. Ponha a mão sem pressa, como o artista que espera secar uma cor da aquarela antes da pincelada de outro tom.

Continuar lendo

Puerpério

Minha amiga querida, Eu me lembro. São mesmo dias dramáticos. A gente transborda. Se esvai em sangue, os peitos vazam e os olhos deixam escapar toda a vulnerabilidade do mundo. Que loucura ter nas mãos poucos quilos de gente e nos ombros a vida de outro ser humano. Nenhum livro ou conselho é capaz de nos preparar para a contradição de nos sentirmos, ao mesmo tempo, tão poderosas e tão imensamente expostas.

Continuar lendo

Passarinha

O Baobá era a árvore mais robusta da floresta. A Passarinha era o bicho mais lépido. Quando ela ia longe, procurava por ele acima das outras copas e podia encontrar o caminho de volta. Trazia de outros cantos um ar de aventura, que o Baobá inspirava satisfeito. Gostavam daquela troca, mas a natureza dela era o movimento e a dele, a estabilidade. Era natural que se desentendessem.

Continuar lendo

Escravidão

Tantos afazeres por fazer. Pouca escolha, muitas obrigações. Bom seria andar de bicicleta todo fim de semana, mas os pneus murcham até que eu encontre oportunidade. Os livros ficam na cabeceira, fechados por vários dias. E reunir a família toda para um programa é quase um acontecimento. Penso que todo apressado foi também apreçado. Recebeu um preço e entregou seu tempo.

Continuar lendo
Fechar Menu
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com