Samba

Quando a gente é criança e alguém diz: Olha!, não enxergamos só o beija-flor passando na frente da janela. Sentimos o redemoinho que as asas dele criam no ar. Se um adulto diz: Prova!, o gosto novo não para na boca. Ele se infiltra e faz casa na memória.

Continuar lendo

Besta

Pesquisei o preço de uma bolsa de couro em um site e, no dia seguinte, as páginas que eu abri na internet me mostraram anúncios de bota de couro, roupa de couro e até de chicote de couro. Procurei por pousadas perto de cachoeiras e talvez tenha digitado na busca a palavra “rio”. Foi o suficiente. A combinação de viagem e rio me tornou alvo de publicidade de material de pesca.

Continuar lendo

A hora certa

Decidi começar a publicar este blog no dia exato em que completo 20 anos de formada como jornalista. Duas décadas de atraso para quem entrou na faculdade sonhando em fazer algum trabalho autoral. Mas a indústria da comunicação me engoliu, as contas para pagar, casamentos, filhos. Quantos motivos justos a gente encontra para se convencer de que passou da hora.

Continuar lendo

Religiões

O tambor forte irrita o cérebro, desliga a chave da consciência e facilita o transe. A energia primitiva se transforma em dança sensual e a gargalhada da pomba gira se espalha. O lavrador, de rugas no rosto e terço na mão, leva o chapéu ao peito. Estica o olhar até a imagem da santa e deixa escapar uma lágrima enquanto confia a ela o seu destino.

Continuar lendo

Errantes

A primeira vez que fui parar num consultório de psicanálise, eu tinha uns vinte anos. Assaltantes entraram na nossa casa, reviraram tudo e eu cheguei sozinha ao apartamento, enquanto um homem fugia pela janela do meu quarto. Foi um choque. Mas eu não havia me dado conta do trauma, até que, alguns meses depois, outro episódio aconteceu.

Continuar lendo

Pletora

Sempre fui de ler toda letrinha que aparece na minha frente. Então, no chuveiro, muitas vezes meu olhar viciado parava nos vidros de shampoo e o cérebro começava a engolir sem querer as palavras: lauril, cetil e metil não sei o quê.

Continuar lendo

Coroas

O ótimo filme nacional “Como nossos pais” traz, numa trama secundária, o músico Jorge Mautner no papel de um homem que vive às custas de suas mulheres. O personagem, manso e sedutor, não demonstra nenhuma culpa pelo seu estilo de vida, e as parceiras, bonitas e inteligentes, parecem bem conscientes sobre a folga do camarada. É uma combinação que funciona, quando todos estão de acordo sobre o que se ganha e o que se dá. Afinal, todo relacionamento é uma forma de acordo, não é?

Continuar lendo

Delicadeza

Amanheci com olhos de procurar belezas. Queria encontrar cenas que me salvassem do pessimismo imposto pela realidade dos noticiários. Reparei na pisada do gato preto desfilando cuidadoso entre pincéis e batons e na desorganização sedutora das rendas dentro da gaveta. Atentei para a cantoria do pedreiro lá fora, que madrugou na obra. Notei com prazer a risada escandalosa da minha vizinha, que faz parecer que todo dia é fim de semana.

Continuar lendo

Mulher pelada

Morreu o empresário americano fundador da revista Playboy e de todo o império associado a ela. Hugh Hefner era o marketing vivo de um estilo de vida baseado em dinheiro, festas e mulheres (ele dizia que dormiu com mais de mil delas). Seus feitos, verdadeiros ou não, não mereceriam um comentário aqui a não ser por um episódio de dois anos atrás.

Continuar lendo
Fechar Menu